Blog EB Treinamentos

Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) – Impacto nas Rotinas Laborais

Promulgada em agosto 2018, e com sua vigência próxima, no que se refere ao tratamento de dados pessoais e dados sensíveis de pessoas naturais (qualquer pessoa física), a LGPD, abreviação para Lei Geral de Proteção de Dados, tem mexido com a nação brasileira. A partir deste mês de setembro, por exemplo, os dados das pessoas naturais estarão protegidos e causará grandes impactos na relação entre de instituições, empresas, clientes, fornecedores e relação de trabalho e emprego, por exemplo. Aqui, vamos abordar, especificamente, o impacto na relação de trabalho e emprego.

Embora no Brasil, até o surgimento da LGPD, mesmo que haja dispositivos que regulam o tratamento de dados pessoais e a vedação da prática de discriminação, de forma direta e indireta, conforme previsto na Constituição Federal de 1988, art. 5º, Lei n° 9029/95, até mesmo no Código de Defesa do Consumidor, e Código Civil, é prática comum nos ambientes corporativos o não cumprimento dessas normas. Agora, porém, com a LGPD, essa prática irregular está sujeita a penalidades e multas.

Com a vigência da LGPD em nosso país, as rotinas laborais irão sofrer grandes impactos, ainda que a Lei n° 13.709/18, alterada pela Lei n° 13.853/2019 não especifique o tratamento direto nas relações de trabalho e emprego, mas, sem dúvida nenhuma, à esta relação será aplicada e exigirá bastante cautela por parte dos detentores do tratamento de dados.

A LGPD é clara quanto a sua aplicabilidade e tem como base para proteção dos dados pessoais os seguintes princípios: FINALIDADE: Coletar apenas os dados pessoais para fins legítimos, repassando para o titular de forma clara a finalidade da coleta; NECESSIDADE: utilizar apenas os dados essenciais, eliminando sempre os dados que se tornarem irrelevantes; TRANSPARÊNCIA: o titular deve ser informado de forma clara sobre os riscos e direitos dos seus dados; SEGURANÇA: proteger os dados contra danos, furtos ou perdas, com medidas de segurança; NÃO DISCRIMINAÇÃO: De forma alguma utilizar dados para fins discriminatórios, ilícito ou abusivo; RESPONSABILIDADE: todos os processos e procedimentos da empresa devem adotar os princípios; PREVENÇÃO: evitar danos aos titulares, tomando medidas preventivas para tal; PRECISÃO: manter somente os dados precisos, excluindo dados errados ou desnecessários; LIVRE ACESSO: ter capacidade suficiente para apresentar onde são tratados os dados do titular; ADEQUAÇÃO: disponibilizar de forma idônea ao titular todas as informações sobre a coleta de seus dados.

Na relação de trabalho e emprego a LGPD se aplica desde a fase pré-contratual: quando a discriminação, principalmente, deve ser evitada, podendo ocorrer pelas solicitações de informações pessoais dos candidatos, os quais sejam dados sensíveis; pela fase contratual: onde a responsabilidade é extrema, devido a manutenção do contrato de trabalho entre os sujeitos da relação de emprego (empregador e empregado), documento este composto por dados pessoais, que deve conter cláusulas específicas com finalidade ao consentimento para o tratamento dos dados das informações cadastrais e contratuais dos empregado; e fase pós-contratual: não menos importante, onde o tratador (empregador) dos dados deve prezar pela guarda dos documentos de ex-empregados com total segurança, até a data fim do prazo prescricional de guarda de documentos trabalhistas, fiscais e previdenciários.

Por todo o manifesto, é chegada a hora de adequação e capacitação, com políticas de boas práticas e capacitação dos colaboradores, análise dos dados evidenciados, se são, de fato, necessários para a empresa, identificação de quem tem ou terá acesso aos dados pessoais, bem como análise dos riscos, com base na missão e valores da empresa.

Toda novidade pode e deve gerar debates visando especialmente o seu aprimoramento. Entretanto, pode-se dizer que um dos grandes ganhos com a LGPD é a regulação das práticas laborais dentro das corporações, relativas ao tratamento dos dados dos trabalhadores. A regularização de todo o ambiente corporativo entra nessa seara. Ocorrendo o contrário, definitivamente, podem gerar sérias consequências para as organizações, desde sanções administrativas até mesmo danos à reputação de sua marca.

Escrito por: Dra Lilian

 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on linkedin

Blog EB Treinamentos

Quer ficar por dentro de todas as novidades da EB Treinamentos ?

aahh que pena

Preencha seus dados e nós vamos te avisar quando a próxima turma abrir