Blog EB Treinamentos

Aprendiz: passo a passo de como contratar

O contrato de aprendizagem é uma modalidade especial de contratação, que visa a inserção de jovens no mercado de trabalho ao mesmo tempo que garante o seu desenvolvimento profissional e pessoal. Confira neste artigo todas as particularidades dessa modalidade e o passo a passo de como contratar!

O que é aprendizagem?

O contrato de aprendizagem é aquele destinado a inserção de jovens no mercado de trabalho com base numa formação técnico-profissional, que envolve atividades teóricas e práticas. Essa modalidade de contratação surgiu para atender princípios constitucionais de garantia de acesso a educação e a profissionalização, alinhando ambos para o desenvolvimento do jovem.

As atividades teóricas do contrato de aprendizagem devem ter a orientação pedagógica de uma entidade qualificada em formação técnico-profissional, enquanto as atividades práticas são coordenadas pelo empregador e devem ser compatíveis com o desenvolvimento físico, moral e psicológico do jovem e que garantam a aplicação do programa no mercado de trabalho.

Quem pode ser aprendiz?

O contrato de aprendizagem é destinado exclusivamente a jovens, dado sua característica de inserção no mercado de trabalho. Pode ser aprendiz jovens entre 14 e 24 anos, matriculados e frequentes na escola, caso não tenha concluído o ensino médio e inscritos em programa de aprendizagem. Sendo pessoa com deficiência, o limite máximo de idade não se aplica.

A contratação de aprendiz deve priorizar adolescentes entre 14 e 18 anos, exceto quando:

I – as atividades práticas da aprendizagem ocorrerem no interior do estabelecimento e sujeitarem os aprendizes à insalubridade ou à periculosidade, sem que se possa elidir o risco ou realizá-las integralmente em ambiente simulado;

II – a lei exigir, para o desempenho das atividades práticas, licença ou autorização vedada para pessoa com idade inferior a dezoito anos; e

III – a natureza das atividades práticas for incompatível com o desenvolvimento físico, psicológico e moral dos adolescentes aprendizes.

Nas situações acima a empresa deve contratar jovens entre 18 e 24 anos.

Quem está obrigado a contratar?

 Os estabelecimentos de qualquer natureza, com mais de 7 empregados em funções que demandam formação profissional, são obrigados a contratar aprendizes. Estabelecimento é todo complexo de bens organizado para o exercício de atividade econômica ou social do empregador, que esteja submetido ao regime CLT.

Incluem-se também na obrigatoriedade: empregador pessoa física com atividade econômica, empregador rural, condomínios, associações, sindicatos, igrejas, entidades filantrópicas, cartórios e órgãos públicos que contratem empregados pelo regime CLT.

A contratação do aprendiz pode ser diretamente pelo empregador ou por entidade sem fins lucrativos. Caso a contratação seja direto pelo empregador o estabelecimento assume a condição de empregador, sendo responsável pela inscrição do jovem em programa de aprendizagem. Caso seja através de entidade sem fins lucrativos esta assume a condição de empregador, devendo fazer a anotação que o contrato de aprendizagem decorre de contrato com determinado estabelecimento.

Quem está dispensado da contratação?

 Estão dispensadas da contratação de aprendizes:

– as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), independente da opção pelo Simples Nacional e

– as entidades sem fins lucrativos inscritas no Cadastro Nacional de Aprendizagem, quando o objetivo da entidade for a educação profissional de aprendizes;

A comprovação do enquadramento como ME ou EPP é através de registro no órgão competente e faturamento dentro do limite legal. Caso optem por contratar aprendizes, devem cumprir todas as regras, inclusive o percentual máximo de contratação, mas estão desobrigadas de cumprir o percentual mínimo.

As entidades sem fins lucrativos que contratem aprendiz indiretamente, nos termos do art. 15 do Decreto nº 5.598/05, estão desobrigadas de cumprir o percentual máximo.

Cota de aprendizes

A cota de aprendizes que devem ser contratados é calculada por estabelecimento da empresa, considerando o percentual mínimo de 5% e o máximo de 15%, sobre o total de trabalhadores que exerçam funções que demandem formação profissional, cujo critério é a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), independente da função ser proibida para menores de 18 anos.

A consulta das atividades que demandam formação profissional é feita no site da CBO, no “Relatório da Família” da atividade. Veja o exemplo de uma atividade que demanda e outra que não demanda:

Família 4110 – Agentes, assistentes e auxiliares administrativos

Família 2410 – Advogados

Veja que essa família (2410) não tem a informação de que demanda aprendizagem, logo os empregados que exerçam essas funções estão excluídos da base de cálculo.

São excluídas da base de cálculo as seguintes funções:

– as funções que, em virtude de lei, exijam habilitação profissional de nível técnico ou superior;

as funções caracterizadas como cargos de direção, de gerência ou de confiança, nos termos do inciso II do art. 62 e do § 2º do art. 224 da CLT.

– os trabalhadores contratados sob o regime de trabalho temporário, pela Lei 6.019/74 e

– os aprendizes já contratados.

Exemplo prático de cálculo:

Quantidade total de empregados no estabelecimento: 30
(-) Funções que exigem habilitação profissional técnica ou superior 1
(-) cargos de direção, gerência ou de confiança 1
(-) trabalhadores em regime temporário 0
(-) aprendizes já contratados 2
Base de cálculo (total de empregados – exclusões) 26
Cota Mínima (5% do saldo) 1,3
Cota Máxima (15% do saldo) 3,9

A empresa está obrigada a contratar neste estabelecimento no mínimo 2 e no máximo 4 aprendizes. Note que a fração de unidade deve ser arredondada para a próxima unidade.

Cumprimento alternativo da cota de aprendiz:

Os estabelecimentos cuja atividade econômica ou o local de trabalho constituam embaraço as atividades práticas do aprendiz podem requerer, nas unidades da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a assinatura de termo de compromisso para o cumprimento da cota em entidade concedente da experiência prática do aprendiz.

Penalidades por não contratar

As empresas que não contratarem aprendizes ou façam a contratação de forma irregular estarão sujeitas a penalidades, previstas nos art. 434 e 634-A da CLT, que variam de acordo com o porte econômico do infrator e o número de trabalhadores irregulares, com os seguintes valores:

a) de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 2.000,00 (dois mil reais), para as infrações de natureza leve;

b) de R$ 2.000,00 (dois mil reais) a R$ 4.000,00 (quatro mil reais), para as infrações de natureza média;

c) de R$ 3.000,00 (três mil reais) a R$ 8.000,00 (oito mil reais), para as infrações de natureza grave; e

d) de R$ 4.000,00 (quatro mil reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais), para as infrações de natureza gravíssima.

As empresas individuais, as microempresas, as empresas de pequeno porte e as empresas com até vinte trabalhadores tem o valor da multa reduzidos pela metade.

Quais são os direitos do aprendiz?

O contrato de aprendizagem é regido pela CLT, então é assegurado aos aprendizes todos os direitos trabalhistas e previdenciários, além de alguns direitos específicos. São eles:

Contrato: o contrato de aprendizagem deve ser por escrito e por prazo determinado, não podendo ser superior a 2 dois anos, exceto se o aprendiz for portador de deficiência.

Formação técnico-profissional: o aprendiz deve ser inserido em programa de aprendizagem que o capacite profissionalmente ao mercado de trabalho.

Salário-mínimo hora: exceto se o contrato prever condição mais favorável, ao aprendiz é garantido o salário-mínimo/hora.

Jornada de trabalho: a jornada de trabalho do aprendiz é de, no máximo, 6h diárias, computadas as atividades teóricas e práticas. Caso o aprendiz já tenha concluído o ensino médio, a jornada pode ser de até 8h diárias. Em ambos os casos é vedada a prorrogação e a compensação da jornada.

FGTS: o aprendiz tem direito ao depósito de FGTS sobre os valores da sua remuneração, com a alíquota de 2%.

Férias: as férias do aprendiz seguem as mesmas regras da CLT, porém devem coincidir, preferencialmente, com as férias escolares do mesmo.

13º salário: é devido o pagamento de 13º nos moldes da legislação.

Vale transporte: caso o aprendiz solicite, a empresa deve conceder o vale transporte para o mesmo.

Benefícios convenção coletiva: os benefícios das convenções e acordos coletivos, desde que não reduzam ou excluam os direitos específicos da aprendizagem.

Benefícios previdenciários: aos aprendizes é assegurado os direitos previdenciários devidos aos demais empregados regidos pela CLT, observado as regras de cada benefício.

Como é calculado o salário do aprendiz?

Para calcular o salário do aprendiz deve ser considerado o total de horas trabalhadas, computadas também as atividades teóricas e o repouso semanal remunerado. A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho elaborou a seguinte fórmula para o cálculo:

Salário Mensal =

O número de semanas é definido da seguinte forma: número de dias do mês / 7. Considerando as variáveis de cada mês, temos a tabela abaixo:

Veja exemplos de cálculos para um aprendiz registrado com salário-mínimo hora (R$ 4,75) e uma jornada de 30h semanais:

Extinção do contrato

A extinção do contrato de aprendizagem pode ocorrer nas seguintes situações:

I – na data prevista para o término (termo final);

II – quando o aprendiz completar vinte e quatro anos, salvo se for portador de deficiência;

III – antecipadamente, nas hipóteses abaixo:

  1. Desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz, devidamente comprovadas por laudo de avaliação;
  2. Falta disciplinar grave prevista no art. 482 da CLT;
  3. Ausência injustificada à escola que implique perda do ano letivo, comprovada por declaração do estabelecimento de ensino;
  4. A pedido do aprendiz;
  5. Em caso de fechamento do estabelecimento, se a transferência do aprendiz for acarretar prejuízo ao próprio aprendiz;
  6. Morte do empregador, se tratando de empresa individual;
  7. Rescisão indireta

Nos motivos das alíneas “5”, “6” e “7” é devido a indenização do art. 479 da CLT. Em nenhum caso do inciso III é devido a indenização do art. 480 da CLT, que seria o desconto de metade do período restante de contrato.

Importante! A diminuição do quadro de empregados da empresa, mesmo que seja por dificuldades financeiras/econômicas não autoriza a rescisão antecipada do contrato dos aprendizes, que devem ser cumpridos até o final.

Continuidade na empresa após o término do contrato:

A Instrução Normativa SIT nº 146/2018 pacificou o entendimento que, tendo chegado ao fim o contrato, havendo a continuidade do vínculo, essa passa a vigorar por prazo indeterminado, com todos os direitos desse tipo de contrato.

Esse entendimento da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho visa a manutenção do empregado do trabalhador, desta forma basta que sejam formalizadas as alterações contratuais e realizados os ajustes nas obrigações trabalhistas, inclusive a troca de categoria do trabalhador no eSocial.

Em resumo, a contratação de aprendiz requer que a empresa tenha um amplo conhecimento da legislação trabalhista e das regras específicas dessa modalidade, por isso é muito importante estar sempre atualizado, evitando que a empresa corra o risco de sofrer penalidades por descumprir a lei.

As informações desse artigo foram úteis para você? Aproveite e conheça e acesse nosso canal no Youtube com dicas práticas.

Até o próximo artigo!

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on linkedin

Blog EB Treinamentos

Quer ficar por dentro de todas as novidades da EB Treinamentos ?

aahh que pena

Preencha seus dados e nós vamos te avisar quando a próxima turma abrir