Blog EB Treinamentos

Saiba tudo sobre a desoneração da folha

A desoneração da folha é um mecanismo de tributação que teve início em 2011, no qual as empresas enquadradas optam em pagar uma contribuição sobre receita bruta em substituição à contribuição previdenciária patronal calculada sobre folha de salários.

Se você possui empresas nessa modalidade de tributação e deseja se aprofundar sobre este assunto, vem com a gente que neste artigo explicamos tudinho pra você!

O que é a desoneração da folha?

A desoneração da folha é a substituição da CPP (Contribuição Previdenciária Patronal), em regra de 20%, incidente sobre a folha de pagamento, pela CPRB (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta).

Essa modalidade de tributação foi instituída pela Lei nº 12.546/2011, atualmente é opcional, e abrange os seguintes contribuintes:

  • que auferirem receita bruta decorrente do exercício das atividades elencadas na Lei nº 12.546/2011;
  • que auferirem receita bruta decorrente da fabricação dos produtos listados por NCM na Lei nº 12.546/2011; e
  • que estão enquadrados nos CNAEs previstos na Lei nº 12.546/2011.

A legislação prevê que até 31 de dezembro de 2021 essas empresas poderão contribuir sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. 

As alíquotas a serem adotadas variam entre 1% a 4,5%, a depender da atividade da empresa.

Qual o conceito de receita bruta?

A receita bruta compreende:

(+) Receita total de vendas

(+) Receita total de prestação de serviços

(+) Receita total em operações de conta alheia – comissões e intermediações

(=) Receita bruta total

(-) Exportações

(-) Vendas canceladas/devoluções

(-) Descontos incondicionais

(-) ICMS substituição tributária, quando houver

(-) IPI

(=) Base de cálculo das contribuições previdenciárias

Como optar pela desoneração da folha?

A opção deve ser manifestada pelo contribuinte a partir do pagamento da CPRB via DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), relativo ao mês de janeiro de cada ano, ou a partir do primeiro mês em que houver receita bruta apurada, sendo irretratável para todo o ano-calendário.

Os códigos para pagamento do DARF são os seguintes:

  • 2985 – Contribuição Previdenciária Sobre Receita Bruta – Art. 7º da Lei 12.546/2011; e
  • 2991 – Contribuição Previdenciária Sobre Receita Bruta – Art. 8º da Lei 12.546/2011.

Como é feita a apuração da CPRB?

Antes de apresentarmos o cálculo da CPRB pra você, vamos resgatar como funciona a tributação tradicional do INSS Patronal.

No modelo tradicional, as empresas (exceto as optantes pelo Simples Nacional dos anexos I a III e V) recolhem, em regra, 20% sobre o total da remuneração paga a seus trabalhadores.

Dentro deste modelo, quanto mais trabalhadores a empresa possuir, maior será o total das remunerações, e consequentemente, maior será o seu custo com o INSS Patronal.

Exemplo da tributação tradicional

Total das remunerações: R$ 100.000,00

CPP: R$ 100.000,00 * 20% = R$ 20.000,00

GILRAT: R$ 100.000,00 * 3% = R$ 3.000,00

Terceiros (Outras Entidades): R$ 100.000,00 * 5,8% = R$ 5.800,00

Custo total com o INSS Patronal = R$ 28.800,00

Com o surgimento da desoneração da folha, temos a substituição da CPP pela CPRB, ou seja, a empresa deixa de pagar os 20% sobre a folha e passa a pagar um percentual sobre a receita bruta.

Para exemplificarmos, vamos considerar que a empresa está sujeita a pagar 1% sobre a receita bruta. 

Exemplo da tributação pela desoneração da folha

Receita bruta no mês: R$ 1.000.000,00

Total das remunerações: R$ 100.000,00

CPRB: R$ 1.000.000,00 * 1% = R$ 10.000,00

GILRAT: R$ 100.000,00 * 3% = R$ 3.000,00

Terceiros (Outras Entidades): R$ 100.000,00 * 5,8% = R$ 5.800,00

Custo total com o INSS Patronal = R$ 18.800,00

No exemplo, podemos perceber que com a desoneração da folha a empresa teve uma redução de 10 mil reais no custo total com o INSS Patronal, porém, nem sempre é assim, vai depender muito da receita bruta mensal. Por isso, sempre faça simulações antes de optar por esse mecanismo de tributação.

Desoneração da folha – Atividades mistas

Nos casos em que a empresa se dedica a outras atividades ou fabrica produtos não sujeitos a desoneração, o recolhimento da CPRB levará em conta, a razão entre a receita bruta desonerada e a receita bruta total. Enquanto que a CPP será ajustada ao percentual resultante da receita bruta não desonerada e a receita bruta total.

Para facilitar o entendimento vejamos um exemplo:

Exemplo prático

Receita bruta das atividades desoneradas: R$ 300.000,00

Receita bruta das atividades não desoneradas: R$ 700.000,00

Receita bruta total: R$ 1.000.000,00 

Percentual da CPRB: 1%

Total das remunerações: R$100.000,00

% das atividades desoneradas: R$ 300.000,00 ÷ R$ 1.000.000,00 * 100 = 30%

% das atividades não desoneradas: R$ 700.000,00 ÷ R$ 1.000.000,00 * 100 = 70%

Cálculo do INSS Patronal: 

CPRB: R$ 1.000.000,00 * 1% * 30% = R$ 3.000,00

CPP: R$ 100.000,00 * 20% * 70% = R$ 14.000,00

GILRAT: R$ 100.000,00 * 3% = R$ 3.000,00

Terceiros (Outras Entidades): R$ 100.000,00 * 5,8% = R$ 5.800,00

Total do INSS Patronal = R$ 25.800,00

Situações especiais

É importante ainda ficar atento as seguintes situações especiais:

  • As empresas que se dedicam exclusivamente às atividades desoneradas, nos meses em que não auferirem receita, não recolherão a CPP de 20% sobre a folha de pagamento;
  • Mesmo ocorrendo a hipótese de ausência de algum tipo de receita (desonerada ou não desonerada), em certo mês, continua-se aplicando a fórmula das atividades mistas;
  • Caso a empresa exerça outras atividades, preste serviço ou fabrique produtos não sujeitos à desoneração e, o somatório da receita desses itens seja de até 5% da receita bruta total, a CPRB incidirá também sobre esta receita. Agora, caso ultrapasse os 5%, a empresa, em relação a esta receita, estará sujeita a tributação proporcional pela folha de pagamento;
  • A desoneração abrange também os valores de remuneração pagos ou creditados aos empregados, trabalhadores avulsos e ainda sobre o pró-labore;
  • Por fim, nada muda para as empresas optantes pelo Simples Nacional (Anexos I, II, III e V), que permanecem recolhendo suas contribuições em conformidade com as tabelas do Simples.

Quais as particularidades no 13º terceiro salário?

Além disso, é importante que você saiba que a desoneração da folha também terá reflexo sobre a tributação do 13º salário, conforme as seguintes regras:

  • para empresas desoneradas totalmente, e que estiveram na desoneração durante todo o ano, não haverá o recolhimento da CPP sobre o 13º salário;
  • para empresas em início de atividade ou que ingressaram na desoneração no curso do ano, a CPP sobre o 13º salário será calculada proporcional à data do início da atividade ou da entrada da empresa na desoneração da folha; e 
  • para empresas desoneradas de forma mista, ou seja, com receita desonerada e não desonerada, a CPP sobre o 13º salário será calculada de forma proporcional, conforme percentual, denominado redutor, resultante da razão entre a receita bruta não desonerada e a receita bruta total. Assim considerada a receita bruta acumulada nos 12 meses anteriores ao mês dezembro do correspondente ano-calendário (ex: dezembro/2019 a novembro/2020).

Exemplo prático

Receita bruta atividades desoneradas (12/19 a 11/20): R$ 3.120.000,00

Receita bruta atividades não desoneradas (12/19 a 11/20): R$ 4.680.000,00

Receita bruta total: R$ 7.800.000,00

Cálculo redutor: R$ 4.680.000,00 / R$ 7.800.000,00 * 100 = 60%

13º salário: R$ 168.000,00

CPP a recolher: R$ 168.000,00 * 20% * 60% = R$ 20.160,00

Agora que você já entendeu um pouco sobre a desoneração da folha iremos abordar como informá-la nas obrigações acessórias. Vamos lá?

Desoneração da folha antes do eSocial e da EFD-Reinf

Até então, a desoneração da folha era informada por meio do SEFIP e da EFD-Contribuições.

No SEFIP, segundo o Ato Declaratório Executivo Codac nº 93/2011, a empresa enquadrada na desoneração da folha deveria fazer um ajuste através do campo “Compensação”, tendo em vista que o SEFIP não sofreu alterações em relação a essa sistemática de apuração.

Já na EFD-Contribuições, a informação era transmitida por meio do Bloco P, com a correspondente identificação do código da atividade sujeita à desoneração, valor da receita bruta, valor das exclusões (se houvesse), base de cálculo da CPRB, alíquota de contribuição e, por fim, valor da CPRB apurada.

Desoneração da folha a partir do eSocial e da EFD-Reinf

No eSocial e na EFD-Reinf as empresas optantes pela desoneração da folha devem indicar, por meio dos eventos cadastrais S-1000 e R-1000, respectivamente, que se enquadram nessa modalidade de tributação.

Vale destacar que apenas as empresas com classificação tributária igual a 02, 03 ou 99, poderão indicar que se enquadram na desoneração. Caso contrário, será retornado erro informando a incompatibilidade cadastral.

Além disso, devem enviar, mensalmente, para o eSocial o evento S-1280, indicando se a substituição da CPP ocorre de forma integral ou parcial, devendo, no caso desta última, informar o percentual não substituído, para fins de cálculo proporcional da CPP sobre a folha.

Portanto, diferente do SEFIP, no eSocial não haverá a necessidade de informar valores de compensação, visto que as contribuições previdenciárias serão calculadas conforme os parâmetros cadastrais enviados.

Já a CPRB será informada através da EFD-Reinf, por meio do evento R-2060, com a correspondente identificação do código da atividade, produto ou serviço sujeita à desoneração, valor da receita bruta da atividade, valor das exclusões e adições (se houver), base de cálculo e valor da CPRB apurada.

Assim, a partir das informações prestadas no eSocial e na EFD-Reinf, é que a DCTFWeb irá apurar as contribuições previdenciárias devidas no mês, e a CPRB passará a ser recolhida via DARF Previdenciário.

Agora que você já sabe tudo sobre a desoneração da folha, aproveite para compartilhar este conteúdo com seu amigo(a) do DP!

Um forte abraço e até a próxima!

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on linkedin

Blog EB Treinamentos

Quer ficar por dentro de todas as novidades da EB Treinamentos ?

aahh que pena

Preencha seus dados e nós vamos te avisar quando a próxima turma abrir